janelas cruzadas foi apresentado na terceira edição-exposição do museu do louvre pau-brazyl, sob curadoria de Jéssica Varrichio e Guilherme Giufrida, no Edifício Louvre, localizado no centro de São Paulo (Brasil).

Para entender a arquitetura como plataforma e agente de literatura, o trabalho consiste na instalação de letreiros digitais nas janelas de um edifício. Ao pertencer às janelas, cada letreiro instalado pertence consequentemente ao morador de cada janela. Assim, os moradores possuem responsabilidade sobre seus letreiros (a partir de agora, plataforma de sua “literatura”): podem escrever suas histórias, suas memórias, suas frases, seus protestos e serem lidos por seus vizinhos e todos que conseguem enxergar sua janela pela cidade.

O trabalho desmistifica o conceito da literatura estanque ao dar voz literária aos moradores, pensando também a plataforma em que essa literatura se insere: em letreiros digitais – objeto que está presente e distribuído com frequência pelas cidades, sobretudo em lojas, bares e comércios em geral.


EN Janelas cruzadas [Crosswindows] was presented at the third edition of Louvre Pau-Brazyl Museum, curated by Jéssica Varrichio and Guilherme Giufrida, at Louvre Building, located in downtown São Paulo (Brazil).
To understand the architecture as a literary platform, the work consists of installing digital signs on the windows of a building. The signs belong to both the windows and their residents. Thus, residents are responsible for their signs, where they can write their stories, memories, phrases, protests, which can be read by their neighbors and others who can see their window from the street.

The work amplifies ideas regarding literature by giving literary voice to non-writers residents besides using the electronic signs as a platform – a common object in the city landscape, especially in stores, bars and shops in general.




︎ registros fotográficos

visão externa


visão interna (letreiros instalados nos apartamentos)






vídeo


são paulo/brasil